Tradutor - Translater - Traductor - Traducteur - Traduttore - Översättare - 翻译 - Переводчик

Para seguir este blog coloque aqui o seu email:

Enter your Email


Preview | Powered by FeedBlitz

Slideshow

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Perna-vermelha-comum

Photobucket

O Perna-vermelha-comum é uma ave invernante comum nos estuários e salinas do nosso País, onde procura alimento e refúgio. Porém, só uma política adequada do uso da terra poderá travar o actual declínio das suas populações.

Inês Catry

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS

O Perna-vermelha-comum (Tringa totanus) é uma limícola de tamanho médio, com patas muito conspícuas, compridas e de cor vermelha vivo, ligeiramente mais pequeno e mais compacto que o Perna-vermelha-escuro (Tringa erythropus) e com patas e o bico mais curtos.

Os adultos em plumagem nupcial possuem as regiões superiores do corpo de tom cinzento-acastanhado e as zonas inferiores brancas, muito manchadas por estrias castanho-escuras no peito. A plumagem de Inverno é mais clara, as partes superiores são de tom cinzento claro e nas partes inferiores as estrias tornam-se menos visíveis. Os juvenis têm uma plumagem mais escura, com as penas das partes superiores castanho-escuras orladas a claro e as partes inferiores muito manchadas de escuro. O bico é direito, vermelho na base e escuro na extremidade.

Em voo realçam-se as zonas do uropígio e cauda, de cor branca com estrias escuras, que se prolongam em forma de losango até ao dorso. Nas asas apresenta uma barra branca ao longo das secundárias.

Photobucket

DISTRIBUIÇÃO E ABUNDÂNCIA

Apesar da sua área de distribuição englobar todo o Paleárctico, mais de metade da área de reprodução situa-se na Europa. Na Europa Ocidental (à excepção das Ilhas Britânicas e Países Baixos), esta espécie tem uma distribuição descontínua como nidificante. Na Escandinávia e Países Bálticos a sua distribuição é mais regular. Na Rússia e na Ucrânia apresenta uma distribuição uniforme. A Islândia, Noruega, Bielo-Rússia, Reino Unido e Holanda suportam mais de três quartos de toda a população reprodutora europeia, que está estimada em 300.000-630.000 casais. A Rússia e a Turquia poderão ter grandes populações, mas não são conhecidas estimativas nestes países.

Esta espécie inverna na Europa Ocidental, Mediterrâneo e África Ocidental. Do total da população invernante (cerca de 285.000 aves), 130.000-180.000 invernam na Europa, a maioria no Reino Unido (50%), Irlanda, Holanda e Portugal. A restante segue para África, essencialmente para a Guiné-Bissau, Mauritânia, Serra Leoa, Tunísia, Marrocos e Egipto.

Em Portugal, o Perna-vermelha-comum é um migrador de passagem, mas também invernante e nidificante. O número máximo de indivíduos contado no período de Invernos compreendido entre 1993/94 e 1995/96 foi de 6.468 em Janeiro de 1995. Nidifica irregularmente no Estuário do Tejo, Estuário do Sado, Ria Formosa e Castro Marim. Ocorre regularmente nos Açores, Madeira e Selvagens.

ESTATUTO DE CONSERVAÇÃO

A maioria da população reprodutora sofreu um declínio desde 1970. Pensa-se que tal terá começado no noroeste e centro europeu no início do século XIX. Mais de 40% das populações reprodutoras (para as quais são conhecidas as tendências) diminuíram durante o período 1970-1990, incluindo as populações do Reino Unido, Holanda, Alemanha e Rússia. Para além disso, tem-se verificado a diminuição da área de distribuição da espécie em vários países com pequenas populações. Devido a este cenário, o Perna-vermelha-comum está classificado como SPEC 2 a nível europeu.

Em Portugal, esta espécie tem o estatuto de não ameaçada. Encontra-se presente nos Anexos II e III das Convenções de Bona e Berna, respectivamente.

FACTORES DE AMEAÇA

As principais causas do declínio verificado até à data são também os principais factores de ameaça a esta espécie. A perda e degradação do habitat nas áreas de reprodução e de invernada constituem os principais problemas. As áreas de reprodução são destruídas pela drenagem das zonas húmidas, pela intensificação da agricultura (à qual a espécie é muito pouco tolerante) e à desflorestação, entre outros. Nos locais costeiros de invernada as aves são afectadas pelo desenvolvimento da indústria, pelas dragagens de terras, pela poluição e perturbação humana.

Para as aves que invernam na Europa Ocidental, os invernos muito rigorosos, durante os quais os corpos de água e campos ficam cobertos de neve, podem ter consequências extremamente negativas.

HABITAT

Os habitats de nidificação do Perna-vermelha-comum variam muito em cada região, abarcando um amplo leque de biótopos, desde as manchas de vegetação halófita em salinas de alguns estuários portugueses, aos prados húmidos das terras altas do Reino Unido, até à tundra arborizada da Escandinávia. Para invernar opta essencialmente por locais costeiros, como sejam estuários, salinas, lagoas costeiras, terrenos alagados e arrozais.

Photobucket

ALIMENTAÇÃO

Alimenta-se maioritariamente de pequenos crustáceos, moluscos e poliquetas, mas também insectos, aranhas, peixes e girinos. A dieta, modo de alimentação e habitat podem variar e dependem das estações e do clima. O alimento é obtido nadando ou caminhando em zonas de água pouco profunda, capturando as presas à superfície ou utilizando o bico como sonda.

REPRODUÇÃO

O início da reprodução diverge, variando com a latitude. As posturas decorrem desde o início de Abril até ao final de Junho. O ninho é construído no chão entre a vegetação rasteira ou numa cavidade de um tufo. O Perna-vermelha-comum faz apenas uma postura, geralmente composta por 4 ovos (3-5). O período de incubação prolonga-se por 23-24 dias. As crias estão aptas a voar ao fim de 25-35 dias.

MOVIMENTOS

É uma espécie principalmente migradora, embora existam aves residentes nos países costeiros da Europa Ocidental. Em geral, as aves das latitudes mais a Norte (Fenno-Escandinávia) são as que invernam mais a Sul, na África Ocidental. As aves que nidificam na Islândia invernam mais a norte, desde a Islândia ao Mar do Norte, enquanto que os indivíduos da Europa Ocidental e Central passam o Inverno em latitudes intermédias, centradas em França, Península Ibérica e no Mediterrâneo Ocidental.

A população da Península Ibérica é aparentemente migradora parcial. A migração pré-nupcial tem lugar entre Março e Maio, enquanto que a migração pós-nupcial decorre entre Agosto e Outubro.

CURIOSIDADES

Para além do nome mais comum, Perna-vermelha-comum, esta espécie é também conhecida como Chalreta, Fuselo, Maçarico, Sanheira, Tira-tira e Xibele, entre outros.


LOCAIS FAVORÁVEIS À SUA OBSERVAÇÃO

Embora algumas aves permaneçam no nosso país durante todo o ano, é no Inverno que esta espécie se torna abundante em numerosas zonas húmidas de Norte a Sul de Portugal. Nesta altura, é facilmente observável em qualquer estuário, nas zonas intermareais e sapais e também em salinas e sistemas lagunares costeiros. Durante a Primavera podem ser observadas nos locais onde nidificam, nomeadamente na Ria Formosa, Estuário do Sado e Tejo.

BIBLIOGRAFIA


Elias, G L., Reino, L.M., Silva, T., Tomé, R. e P. Geraldes (Coods.) (1998). Atlas das Aves Invernantes do Baixo Alentejo. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, Lisboa.

Farinha, J.C. e H. Costa (1999). Guia de Campo das Aves aquáticas de Portugal. Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa.

Sauer, F. (1983). Aves Aquáticas. Editorial Publica.

Snow, D.M. e C.M. Perrins (Eds.)
(1998). The birds of the Western Palearctic. Concise Edition; vol. 1 Non passerines. Oxford University Press.

Tucker, G.M. e M.F. Heath (1994). Birds in Europe: Their Conservation Status. Birdlife Conservation Series nº 3.


Leituras Adicionais

Ficha do Maçarico-de-bico-direito

Ficha da Narceja

Ficha do Ostraceiro

Ecologia e conservação da Andorinha-do-mar-anã nas salinas de Castro Marim e Cerro do Bufo

Acções de conservação para a população de Andorinha-do-mar-anã da Lagoa de Santo André

O abandono das salinas


12 comentários:

Ana disse...

Gostaria tanto de estar nestes locais fantásticos a ver estas lindas aves e aprender com um artista como tu a fazer estas maravilhas que aqui nos apresentas neste Blog extraordinário.
Estava a ouvir a aves no som da gravação que tens no Blog e até pensei sentir um passarinho à janela.:-) Pensas em tudo amiguinho Nuno!
Adorei saber tudo o que transmites. O que eu aprendo neste excelente espaço!
Aproveito para te desejar óptimo fim-de-semana.
Beijinhos muito grandes,
Ana Paula

Helena Paixão disse...

As 3 fotos estão, para não variar, fabulosas mas a primeira é a minha preferida. É que o apanhaste a desenterrar uma minhoca da lama! Que "tiro"!

Bjocas grandes

Nadia Mendes disse...

Olá Nuno,
aqui temos um blog de formação do que precisamos de saber sobre aves, acompanhados de umas belíssimas imagens!
Gosto muito das 3 que aqui apresentas!
Bjokas e Bom Domingo, Nadia

tossan disse...

Um espetáculo composto com a tua habilidade e sensibilidade. Boas férias

gotadevidro disse...

Há aves belas...

Como sempre tuas fotos são de acutilância.

Nasceste para na hora certa estar no momneto exato e fazeres impossiveis com a câmmara.

A beleza na tua sensibilidade

lindoooooooo

beijitos da gota

São disse...

Parabéns em duplicado: pela fotos em si e pela persistência que ela rfevelam.
Um grande abraço, amigo Nuno.

Tetê disse...

sempre bom estar aqui,
sempre!
forte abç,
nuno
!!

Anónimo disse...

Sao lindas as 3 fotos mas os momentos k consegues captar sao demais assim como a 1ª foto, grande momento, nem a comer tu as deixas em paz :) parabens ficaram fantasticas, bjs

Eu

São disse...

Fico esperando que nos mostres o garajau...
Bom fim de semana.

Céu Vieira disse...

Olá amigo Nuno, bom dia!
Este seu blog tem aqui sempre umas fotos maravilhosas!...Belas mesmo!
Eu espanto sempre que aqui venho!
Para fazer estas aproximações, tem de ser com uma lente própria? Ou a sua máquina tem um bom zoom? As nossas, a minha e a do meu marido não dá para estes trabalhos.
Parabéns mesmo, de coração!...
(passe pelo meu blog, para ver alguns navios da nossa armada a desfilar na entrada da Barra de Aveiro) Foi uma experiência muito gira. Não sabia que era tão engraçado esta coisa da "fotomania"!... Foi a Ana e o meu marido que me puseram mais este vicio... é giro, mas cansativo! Mas no fim, é gratificante!
Beijinhos para o Nuno e sua esposa!
Bom dia e boa semana para ambos

Céu Vieira disse...

Ah...esqueci-me de lhe dizer que as informações acerca dos passarinhos são interessantissimas!
Parabéns e obrigada, por nos dar a conhecer!
bjs

São disse...

Passei o fim de semana no Algarve, mas os pássaros que eu tento fotografar, não são assim colaborantes como os teus, rrrsss

Boa semana.

Acerca de mim

A minha foto
Nasceu na maternidade Bensaúde na freguesia da Nossa Sr.ª de Fátima em Lisboa, no dia 9 de Abril de 1966. Vive presentemente em Mem Martins, concelho de Sintra, distrito de Lisboa. Fotógrafo por paixão, desde bem pequeno sempre admirou os trabalhos de outros fotógrafos mas só de há dois anos a esta parte se dedicou a esta bela arte. Amador e autodidacta, tem tentando aprender os segredos da fotografia; fez recentemente um curso de iniciação à fotografia e pretende fazer mais alguns. Tem ainda aprendido com outros fotógrafos, observando e lendo muito sobre o assunto. Sendo hoje um hobby, gostaria de um dia poder ir mais longe, quem sabe ligado profissionalmente a esta área, hoje é administrador de um site de fotografias nacional: www.fotogenico.net, venha inscrever-se é gratuito. Realizou algumas exposições de fotografia (“Sorrisos” e “Mar”), doando o seu trabalho em prol de um projecto de ajuda aos Mininos di Rua em Cabo Verde. Tem algumas galerias na Internet e um blog onde vai dando a conhecer o seu trabalho. Fotografias de maior interesse: Paisagens, macros, mundo animal, retratos, pôr e nascer de sol, arte digital, desporto e acção, fotografia ligada à nossa história.

Seguidores

GEOCOUNTER

GEOWEATHER

Sons da natureza